Bombeiros e forças de segurança começam a ser vacinados contra a Covid-19 na próxima semana

A Ministra da Saúde, Marta Temido, esteve reunida esta segunda-feira de manhã com a Task-Force do Plano de Vacinação contra a Covid-19, numa reunião por videoconferência presidida pelo primeiro-ministro, António Costa.


Portugal recebeu esta segunda-feira novas doses da companhia BioNTech/Pfizer - 99450 doses. O País contabiliza 411.600 mil doses de vacinas da Covid-19, tendo realizado já 255.700 inoculações até às 19h00 deste domingo.


Até ao final do mês deverão estar vacinados cerca de 100 mil profissionais de saúde e a vacinação nas estruturas residenciais como como lares de idosos deverá ser igualmente concluída nos próximos dias.


A ministra da saúde revelou que a vacinação contra o novo coronavírus vai arrancar já na próxima semana em outros serviços essenciais como bombeiros e profissionais de força de segurança.


O Ministério da Saúde prevê ainda esta semana uma atualização das pessoas a vacinar, nomeadamente pessoas com mais de 80 anos, mesmo que não pertençam aos grupos anteriormente vacinados.


Marta Temido esclareceu algumas das dúvidas colocadas os 21 dias exigidos entre a toma das doses das vacinas, sublinhando que trata-se de uma característica do medicamento.


"Há países que estão a fazer intervalos superiores aos 21 dias mas Portugal continua a fazer os 21 dias de intervalo entre as tomas. Aquilo que fizemos foi um pedido de avaliação à Agência Europeia do Medicamento para avaliação deste tema, ainda não há resposta sobre se Portugal vai continuar a administração ao 21º dia", explicou a ministra da saúde.


Marta Temido censurou os autarcas que foram já vacinados contra Covid-19 e que não se encontravam em grupos prioritários.


A ministra sublinhou que o ministério da saúde está a acompanhar a situação registada nos hospitais. O hospital de campanha montado na Cidade Universitária, em Lisboa, passou de 20 para 58 camas disponíveis para doentes Covid-19. O hospital Garcia de Orta, em Almada, tem atualmente mais uma ala com 33 camas.


Relativamente à nova variante, Marta Temido revelou que Portugal está com uma prevalência significa da circulação da variante inglesa, tendo sido já identificado a estirpe sul africana num doente que chegou a Lisboa em dezembro passado. A semana passada existia 60% de predominância de casos da variante detetada no Reino Unido.


"Máxima prudência, este vírus não tem parado de nos surpreender", alertou a ministra.


59 visualizações