Gouveia, Seia, Fundão e Castro Daire promovem “Terras da Transumância”



O projeto foi criado com a missão de salvaguardar as tradições pastoris que permanecem na identidade cultural dos concelhos e de desenvolver a criação de novos produtos e experiências turístico/culturais e preservar a identidade, bem como a memória associada à transumância.


Os municípios de Castro Daire, Fundão, Gouveia e Seia vão lançar a marca “Terras da Transumância”, que terá como base uma oferta cultural e de experiências turísticas com foco na valorização da tradição pastoril naqueles territórios.


Em nota de imprensa enviada à agência Lusa, os promotores da iniciativa explicaram que “a deslocação sazonal de rebanhos e seus pastores entre as Serras da Estrela, Gardunha e Montemuro representa uma viagem, historicamente designada por Transumância”, na qual os rebanhos seguiam os pastores e que encerrava as canções e manifestações etnográficas. “A marca Terras da Transumância visa uma celebração cultural em torno desta tradição ancestral que une e sempre uniu estes quatro concelhos”, explicou Pedro Pontes, vereador de Marketing Territorial do Município de Castro Daire, entidade líder deste projeto.


Citado na nota de imprensa, o autarca acrescentou que o projeto foi criado com a missão de salvaguardar as tradições pastoris que permanecem na identidade cultural dos concelhos e de desenvolver a criação de novos produtos e experiências turístico/culturais e preservar a identidade, bem como a memória associada à transumância.


“Este projeto assenta em quatro grandes eixos promocionais: a comunicação desta programação junto de novos públicos enquanto produtos turísticos, a ativação de agentes culturais e económicos dos territórios e a realização de um documentário sobre os temas da transumância”, acrescentou.


Igualmente citada na nota, Alcina Cerdeira, vereadora do Município do Fundão, apontou que a promoção conjunta desta tradição ancestral será uma mais-valia para os territórios” e referiu que aquele concelho tem ainda “o objetivo de reunir o maior número de visitantes e turistas no Festival Chocalhos, alcançando as cerca de 40.000 pessoas que estiveram no festival em 2019”.

José Nuno Saraiva, vereador do Município de Gouveia, sublinhou a importância desta parceria para o território e descreveu as atividades a desenvolver na programação, como “atividades espontâneas da comunidade civil, que se desenvolvem com o mesmo propósito há vários anos de uma forma ancestral”.


Por seu turno, Célia Barbosa, vereadora do Município de Seia, referiu que “este é um projeto comum de valorização do território, valorização das tradições, dos pastores e das suas práticas ancestrais”, e destacou a Festa da Transumância e dos Pastores, que irá ter lugar no mês de junho neste concelho, “um momento que se realiza como um verdadeiro ato de fé e onde tem lugar a Bênção dos Rebanhos”.


O programa cultural e identitário conta com diversas atividades e oportunidades para experiências turísticas nos quatro territórios.


Em Castro Daire, a programação tem início no mês de maio com a Transumância Sobre Rodas e nos meses de junho e agosto o ponto alto será a Recriação da Última Rota da Transumância. No Fundão, realiza-se, no mês de setembro, o Festival dos Caminhos da Transumância – Chocalhos, uma verdadeira experiência turística pastoril.


Gouveia realiza a Romaria dos Rebanhos no mês de junho, a Bênção dos Rebanhos no mês de julho, a Transumância dos Rebanhos de Vila Nova de Tazem, no mês de agosto, e a Romaria à Nossa Senhora de Assedasse no mês de setembro.


Em Seia, a Bênção dos Rebanhos acontece em junho e no mês de julho realiza-se uma atuação do Teatro de Montemuro com a peça “Mentira a quanto Obrigas”.


Fonte: Lusa