Linha da Beira Alta encerra durante 9 meses a partir de 19 de abril



A Linha da Beira Alta vai ser encerrada à circulação ferroviária a partir de 19 de abril e durante um período estimado de nove meses, devido às obras de modernização da linha em todo o percurso. Passageiros terão transportes alternativos, garante Infraestruturas de Portugal.


O encerramento é justificado pela empresa pública pelo “cumprimento do estabelecido no plano de modernização” da linha que passa por alguns concelhos do distrito da Guarda como Gouveia, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Trancoso e Guarda.


“O encerramento integral torna-se imprescindível face às características técnicas dos trabalhos a realizar em diversos locais ao longo do troço que, pela sua elevada complexidade, seria impraticável executar mantendo a circulação ferroviária mesmo que de forma condicionada”, acrescenta a nota.


A decisão surge depois do arranque de várias empreitadas de modernização e requalificação da linha, incluindo as empreitadas Pampilhosa – Santa Comba Dão, Santa Comba Dão – Mangualde e Mangualde – Celorico da Beira.


“A interdição total em toda a extensão garante a segurança dos trabalhadores em obra e permite que as empreitadas decorram com maior eficiência, com importantes ganhos no encurtamento dos prazos de execução, poupanças ao nível dos encargos e forte mitigação dos transtornos provocados aos utilizadores que, no início de 2023 passarão a dispor de um serviço de transporte ferroviário de maior qualidade, conforto, segurança e ambientalmente sustentável”, refere a IP, que garante que “tem vindo a trabalhar em estreita colaboração com os operadores ferroviários, autarquias e diversas entidades locais interessadas”.


A Infraestruturas de Portugal assegura também que, para minimizar os impactos negativos durante o período de interrupção do serviço ferroviário, serão disponibilizados transportes alternativos aos clientes da CP.


A empresa que gere a rede ferroviária nacional lembra que a modernização integral da Linha da Beira Alta “reveste-se de elevada importância na requalificação da Rede Ferroviária Nacional, disponibilizando às empresas e passageiros um transporte ferroviário mais eficiente”, incluindo uma melhoria das condições de mobilidade e acesso dos passageiros, redução de tempos de percurso, reforço da segurança e aumento do número de comboios a circular por ano.


Atualmente, estão em execução cinco trabalhos de requalificação integral e modernização em cerca de 190 quilómetros da Linha da Beira Alta. O investimento global ronda os 500 milhões de euros.