Protocolo de valorização turística da EN16, que liga Aveiro a Vilar Formoso assinado em Viseu



Foi apresentado no dia 6 de setembro, pelas 18h30, na Feira de São Mateus (Praça de Viriato), um novo projeto em rede que pretende valorizar os recursos turísticos da Estrada Nacional 16.


A cidade de Viriato foi o palco da que juntou o Turismo Cetro de Portugal à CIM Viseu Dão Lafões, CIM Beiras e Serra da Estrela e a CIM Região de Aveiro. Foram estas as quatro entidades que apresentaram o projeto de estruturação do produto EN16, uma estrada nacional que apresenta grande potencial turístico.


A EN16 atravessa vários territórios da região de Aveiro, Viseu Dão Lafões, Beira Interior e a Serra da Estrela, ligando Aveiro a Vilar Formoso. Este novo projeto tem uma estratégia de promoção em rede, que assenta na riqueza paisagística, cultural, patrimonial e gastronómica de vários locais que se complementam.


Este importante Protocolo de Colaboração tem como principal objeto estabelecer formas de cooperação e colaboração, entre as partes, com vista à estruturação do produto turístico EN16, com o objetivo de divulgar e potenciar este recurso específico do território das CIM Região de Aveiro, CIM Viseu Dão Lafões, CIM Beiras e Serra da Estrela, em articulação estreita com o Turismo Centro de Portugal.


Fernando Ruas, Presidente da CIM Viseu Dão Lafões, destacou “o esforço que fazem os dirigentes locais para alavancarem a sua economia”. “A EN16 é um produto turístico, que vai desde o litoral até à fronteira”, explicou o Presidente da CIM Viseu Dão Lafões ao saudar “quem teve a ideia inicial”.


“Eu tenho a certeza absoluta de que este projeto (EN16) vai ser um êxito, que nos ligará ainda mais”, terminou Fernando Ruas, Presidente da CIM Viseu Dão Lafões.


Luís Tadeu, Presidente da CIM Beiras e Serra da Estrela disse que “esta é mais uma prova de que as entidades que estão no território conseguem, de forma articulada, programar e propor, no tempo e no espaço, ações e eventos que recordem a nossa memória histórica e cultural”, e é por isso mesmo que a CIM Beiras e Serra da Estrela “não podia deixar de estar próxima e completamente empenhada neste projeto, e por isso, tudo faremos para que ele seja um grande sucesso”.


José Ribau Esteves, Presidente da CIM Região de Aveiro reiterou “o empenho e a alegria da CIM Região de Aveiro estar neste projeto”.


“É minha profunda convicção de que, um país que tem apenas 200Km de largura, naquilo que é a linha que distância o mar da nossa fronteira com Espanha, não tem litoral nem interior. Só um país que se gere com vistas curtas é que deixou chegar a uma circunstância, em que apenas em 200Km de largura, há assimetrias absolutamente inaceitáveis”, sublinhou José Ribau Esteves, Presidente da CIM Região de Aveiro. “Uma das formas para ajudar a resolver este problema clássico, de um país velho e de uma democracia com quase 50 anos, é fazendo mais projetos como este”, declarou. “Um projeto que nos une a todos, que vai do litoral ao interior, e que percorre um conjunto de ofertas que existem”, concluiu José Ribau Esteves.


Pedro Machado, Presidente do Turismo Centro de Portugal explicou que este é um protocolo de colaboração com múltiplas ações. Vai ser criada uma rede colaborativa, que envolve entidades públicas e agentes privados. Será também feito o levantamento de elementos identitários da EN16 e serão identificados os recursos turísticos ao longo do percurso.


A produção de suportes promocionais é outra das iniciativas previstas, assim como a produção de um guia de viagem e a criação de uma agenda de animação turística concertada. O restauro dos elementos de identidade da EN16 (como marcos, placas de localidade, sinalética direcional, fontes, parkings / zonas de descanso e letreiros de azulejo ACP, entre outros) é outro dos objetivos deste projeto, que contará com uma campanha promocional alargada.


“A EN16 atravessa territórios fundamentais no Centro de Portugal, como são os de Aveiro, Viseu Dão Lafões e Serra da Estrela. Pelas suas características, esta estrada é propícia para o desenvolvimento de uma estratégia de promoção turística em rede, que assenta na riqueza paisagística, cultural, patrimonial e gastronómica de vários locais que se complementam. Houve uma vontade conjunta das várias entidades envolvidas e dessa vontade nasceu este projeto, que tem a capacidade de trazer desenvolvimento às populações”, sublinhou Pedro Machado, presidente da Turismo Centro de Portugal.


Também presente na apresentação, Isabel Damasceno, Presidente da CCDR-Centro, considerou que “esta foi uma ideia feliz”.


“Sou apoiante incondicional do papel que as CIM têm como agregadoras do território, do que este projeto é um bom exemplo. Revitalizar a EN16 é uma forma de devolver aquilo que as autoestradas nos tiraram: o usufruto dos territórios, a riqueza das terras. Projetos como este são convidativos para que isso aconteça”, concluiu.


A valorização turística da EN16 por parte das três Comunidades Intermunicipais, juntamente com o Turismo Centro de Portugal, tem também como objetivo fundamental a requalificação urbana e ambiental de todo o traçado, com especial enfoque para o aumento das condições de segurança, o que se traduz no real contributo não só para os visitantes, mas também e principalmente para os cidadãos que todos os dias utilizam esta via de comunicação.


No seu trajeto, com cerca de 225 km de extensão, a EN16 atravessa 14 concelhos: Aveiro, Albergaria-a-Velha, Águeda, Sever do Vouga, Oliveira de Frades, Vouzela, Viseu, São Pedro do Sul, Mangualde, Fornos de Algodres, Celorico da Beira, Guarda, Pinhel e Almeida.


As entidades envolvidas identificaram como parceiros estratégicos deste projeto os municípios, o Turismo de Portugal, a ARHRESP, a CCDR-Centro e a IP – Infraestruturas de Portugal.