Taxas moderadoras acabam em junho em todo o SNS, à exceção de urgências não referenciadas




Além das urgências não referenciadas, as que não resultem em internamento também são uma exceção.


A ministra da Saúde anunciou esta sexta-feira o fim, a partir de junho, de taxas moderadoras no Serviço Nacional e Saúde, com exceção das urgências não referenciadas e das que não resultem em internamento.


Marta Temido, que falava no segundo dia do debate parlamentar sobre a proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), destacou também o trabalho que o Governo tem desenvolvido com as estruturas representativas dos trabalhadores da Saúde, reconhecendo que é um "problema complexo".


Questionada sobre diversas obras de construção de novos hospitais, Marta Temido afirmou que "só na poesia é que Deus quer, o homem sonha e a obra nasce", disse que há regras a respeitar e exemplificou com os casos do hospital de Lisboa Oriental, afirmando que "o júri está a fazer o último relatório final", e do hospital do Seixal, que "foi relançado em 2018 e esteve impugnado sucessivamente".


"Conseguimos uma decisão favorável no mês passado. Há regras amplamente conhecidas e sobre as quais vale a pena refletir", disse.